De quem é o senhorio?

Biblicamente, tudo se resume na questão do senhorio. Este foi o problema de Satanás que repassou para o homem, por meio da tentação; e que parece se repetir em toda questão pecaminosa.

A vivência diária está em satisfazer a mim mesmo, por meio dos desejos de meu coração, agindo como senhor; ou, sabedor desta tendência, me submeter ao senhorio de Cristo. Qualquer expressão de idolatria externa – imagens, esculturas, coisas, animais, pessoas – tem, ao final, o objetivo de satisfazer o ídolo maior que existe em mim – eu mesmo.

Por isso, somos exortados a matar a influência desta pecaminosidade em nós que insiste em nos fazer acreditar que somos senhores de nosso viver (Romanos 8.9-13).

O pecado engana facilmente porque controla a vontade humana, e isso altera o julgamento. Quando a concupiscência prevalece, predispõe a mente para aprová-la. Quando o pecado influencia nossas preferências, ele parece agradável e bom. A mente é naturalmente predisposta a pensar que tudo o que é agradável é correto; portanto, quando um desejo pecaminoso vence a vontade, também lesa o entendimento. Quanto mais a pessoa anda no pecado, provavelmente, mais a sua mente será obscurecida e cegada. É assim que o pecado assume o controle das pessoas.

 A pessoa tem a falsa impressão de senhorio; mas, na realidade, está debaixo de outro senhorio (influência, referência). Paulo, simplifica este entendimento em sua carta aos efésios.

1. O Eu e suas consequências (a procura da autoestima)

(Efésios 4.17-19)

O problema: O andar pecaminoso.

O contexto: Referência e influência destrutivas (2.1-3).

O foco: O eu.

O combustível: O orgulho.

As consequências: A ignorância, a impaciência e o desamor.

O resultado: A dissensão.

Todo o contexto exposto no capítulo 2 (2-3), procura, cria, estabelece padrões e estruturas que enalteçam o eu, por uma questão de senhorio. Daí a procura da autoestima, como princípio norteador para o viver.

2. O Senhor e suas consequências (a procura da adoração)

Em contrapartida, temos o outro andar (Efésios 4.1-3)

 A exortação: O andar vocacionado.

O contexto: Referência e influência para a vida (2.1, 4-5, 8-10).

O foco: O Senhor.

O combustível: A humildade.

As consequências: A mansidão, a paciência e a compaixão.

O resultado: A unidade.

O que Paulo ensina é a troca do paradigma humano (egoísta) pelo paradigma divino, entendendo e vivendo toda a realidade a partir dos princípios do Senhor. Daí a necessidade de fundamentar o todo da vida por meio das Escrituras.

1 comentário

  1. Podemos perceber claramente a necessidade de exercitarmos diariamente a submissão ao senhorio de Cristo, e estarmos atentos para não cairmos na tentação de nos colocarmos como senhores e não servos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s